Minha Opinião Sobre A Proibição Para Alguns Membros De Casar-se Em Alguns Templos Assembleianos (1)

Alguns dirigentes assembleianos, individualmente, ou os obreiros da igreja em decisão combinada, proíbem a realização do casamento, no templo da igreja, de pessoas que não são mais virgens. A solução para este impasse é o aluguel de salões de festas para a celebração religiosa.

Nestes casos, os convidados – a própria igreja, os irmãos em Cristo – se reúnem no salão de festas para prestigiarem os noivos. Um pastor assembleiano realiza o matrimônio; e assim, o desejo dos noivos de terem sua união testemunhada por todos os irmãos, e receberem a bênção de Deus diante deles é cumprido. Mas é evidente que um dos pré-requisitos para uma cerimônia perfeita é o de que aconteça na igreja. Portanto, quando não acontece fica um lembrete de reprovação aos noivos.

Não há porquê realizar o casamento, na igreja, de pessoas que não estão em comunhão. Se não comem da carne e não bebem do sangue de Cristo, como a sinceridade dos noivos seria reconhecida pelos irmãos? (1 Tm 5.22). Mas se houve arrependimento dos pecados, se a igreja perdoou aos tais, se passaram pela disciplina imposta e foram restituídos à comunhão, não há motivo para negar-lhes esta honra.

Olhando para a tradição secular, a noiva vestida de branco denota a sua própria pureza. E é claro que guardar-se para o casamento é o correto. No entanto, nós que conhecemos a Cristo, sabemos que somente ELE pode nos purificar, lavar nossas vestes e embranquecê-las (1 Co 6.11; 1 Jo 1.9; Ap 7.14; Ap 22.14; Lc 12.28). Por acaso aqueles que pecaram não podem mais casar-se? Nunca mais receberão a bênção de Deus no matrimônio? A fidelidade atual, dos noivos a Deus, não é suficiente para poderem usufruir dos Seus manjares? (1 Tm 4.1-5). Mas se podem casar-se, por que não na igreja? Se os irmãos, que constituem a igreja e são mais importantes do que o templo, participam do casamento, por que não compartilhar a estrutura da igreja que é de todos?

Ainda hoje, muitos forjam leis para não serem perseguidos por causa da cruz de Cristo. É mais fácil punir alguém indevidamente do que reconhecer e depender do Cristo crucificado (Gl 6.12; Mt 9.13).

“Eles têm zelo por vós, não como convém; mas querem excluir-vos, para que vós tenhais zelo por eles” (Gl 4.17)
“Antes, sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” (Ef 4.32)

Wesley Santos Rezende

6 comentários:

francisco disse...

Queria saber desse povo se eles fazem exames de virgindade nos rapazes e mocças da mocidade para poder sentar e cantar no conjunto!
Isso alem de ser hipocrisia e lamentavel

Wesley Rezende disse...

Prezado Francisco:
É lógico que a realização de exames para testificar a virgindade é um absurdo! Mas o seu comentário me chama a atenção para uma realidade: entre os jovens, pode acontecer de os pecados de alguém se tornarem conhecidos.
Alguns tentam convencer o pecador a se confessar, outros o denunciam ao pastor local. Entretanto, às vezes, o pecador nega os fatos, mente, dissimula. E por não terem provas, os jovens se veem obrigados a conviver com pecadores nos conjuntos.
Neste caso, temos que nos aplicar à oração; clamar a Deus para que venha tocar no coração do pecador, antes que este sucumba. Temos que ser constantes nos pedidos a Deus pela conservação da santidade na juventude. O Senhor cuida de sua Igreja! E também, devemos depender do discernimento espiritual de nossos líderes.
Não duvide de que o Senhor não se deixa escarnecer.

P.S.: A postagem se refere a casos esclarecidos de pessoas reintegradas à comunhão após serem disciplinadas. E se estão em comunhão, têm o direito de tê-la de forma plena. Quem lhes tenta restringi-la age como se fosse dominador sobre a herança de Deus.

Graça e paz

Wesley Rezende

francisco disse...

Nobre Irmao obrigado pela resposta.
Aproveitando a oportunidade gostaria se possivel que o irmao abordasse a questao da disciplina, como era praticada na igreja primitiva e de onde veio esse negocio dos pastores proibirem o crente de ceiar por tantos meses e passarem meses de disciplina ? como era a disciplina biblica principalmente a aplicada or paulo em corintios 5

Maiza Roque disse...

A paz do Senhor!

Wesley,

Primeira vez que vejo alguem expondo sua opnião sobre o assunto.Eu particularmente tenho a mesma ideia a respeito e concordo.Nunca tive a oportunidade de perguntar sobre o assunto ,pois não me achava com entendimento suficiente para fazer tal indagação, na verdade até me acostumei com o fato das realizações matrimôniais em salão ,(o que não aprecio).

...Pois bem , as vezes tenho impressão que é um certo "julgamento"(ou na realidade nem seja impressão, é julgamento de fato) e como consequência há uma punição, não sei talvez eu esteja errada.


Creio que o perdão de Deus nos justifica ,redime, nos livra de culpa.

..."Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus;" (Romanos 3:22-25).

Um dos pontos chaves deste texto que me mais chama atenção é que:

"Todos nós pecamos" mas por causa da "graça" de Deus, todos somos "justificados", mediante a "fé" no poder purificador do "sangue" de Cristo. Quando somos justificados, Deus nos declara inocentes, eliminando a culpa de nossos pecados passados(somos libertos). E Deus nos declara justos; "justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo".

..Então acho que não há porque de tal proibição.Creio que seria agradavél e de grande alegria para os noivos não virgens usufruirem da benção de ter seu matrimônio realizado na igreja.
Como você cita na postagem ...Não há motivo para negar-lhes tal honra.

Belissíma postagem amigo,como sempre tem sido.


Que Deus possa abençoar nossas vidas.

Continue escrevendo...e que Deus o abençoe sempre quando redigir seus textos .


Fique em paz!

Grande Abraço,

Maiza D. Roque Silva

Wesley Rezende disse...

Prezado Francisco:

A prática da disciplina é uma ordenança bíblica. Na carta de Paulo aos coríntios, texto citado pelo irmão, está relatado um caso que nos ensina muito sobre o assunto. Vale salientar que Paulo recebeu e aprendeu esta doutrina, e outras, pela revelação de Jesus Cristo (Gl 1.11,12).

Não existe um prazo pré-estabelecido para a disciplina. A abstinência da prática pecaminosa, motivo da exclusão, não é suficiente para justificar a reintegração de alguém à comunhão. A disciplina visa propiciar um recomeço da vida cristã; portanto, além de se afastar do pecado, é necessário que aquele que esteja em prova adquira mais dos atributos: como a caridade, humildade, pacificidade, obediência, entre outros. E também, não é de um dia pro outro que se recupera a confiança em alguém.

Mesmo se um pastor excede em severidade, não poderá impedir ao Deus vivo. Portanto, se permanecemos em prova, é porque ainda nos falta algo. Temos que aprender a depender de Deus, ter fé de que ELE dará testemunho de nossa fidelidade. Sem fé é impossível agradar a Deus. Está escrito: “e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora” (Jo 6.37).

Wesley Rezende

Wesley Rezende disse...

Maiza,

A paz do Senhor!

Seu comentário acrescentou muito à postagem. Obrigado por sua participação.

Wesley Rezende